Clarissa Laurence

Clarissa Laurence

Terceiro colocado

Domingo, 19 Julho 2015 00:00

A disputa do terceiro lugar poderia ser a grande decisão da Liga Mundial 2015. O atual campeão mundial, Polônia, contra o atual campeão da Liga, Estados Unidos. Nenhum dos dois chegou a final, demonstrando o equilíbrio do voleibol masculino no mundo. E, na partida realizada na manhã deste sábado (19.07), melhor para os norte-americanos, que venceram por 3 sets a 0 (25/22, 25/23 e 25/23), em 1h32 de jogo, e ficaram com a medalha de bronze.

A grande final será disputada na sequência, entre França, campeã da segunda divisão da Liga Mundial deste ano, e Sérvia, terceira colocada do Grupo A, que entrou na Fase Final porque o Brasil, líder da chave, já estaria automaticamente classificado – apenas os dois primeiros asseguram a vaga pela pontuação.

Os Estados Unidos começaram bem a partida e abriram 4/1. Os americanos seguiram no comando do marcador o tempo inteiro (16/10). A Polônia aproximou no placar em 22/20, mas os Estados Unidos fecharam em 25/22. A segunda parcial seguiu mais equilibrada ao longo da disputa. Mas, no final, melhor mais uma vez para os americanos, que venceram por 25/23.

No terceiro set, a Polônia demonstrou poder de reação e esteve à frente em 11/9. O equilíbrio permaneceu em 17/16. Os poloneses fizeram 23/21 e os Estados Unidos deixaram tudo igual em 23/23 e, com oposto Anderson, uma das estrelas do time, fechou em 25/23.

Após a partida, o técnico dos Estados Unidos, John Speraw, falou sobre o desempenho do seu time. “Depois de um jogo desafiador contra a Sérvia, ontem, estava feliz por ver nossos jogadores atuarem com tanta energia. Nossas partidas com a Polônia tem sido sempre assim e sabímaos que hoje nao ia ser fácil. Estou feliz porque ganhamos o bronze, mas espero que façamos melhor na próxima competição”, disse Speraw.

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 – Brasil 1 x 3 França (29/27, 21/25, 29/31 e 19/25)
16h05 - Sérvia 2 x 3 Itália (23/25, 25/14, 23/25, 25/20 e 9/15)

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil 3 x 1 EUA (28/26, 22/25, 25/22 e 27/25)
16h05 - Polônia 3 x 1 Itália (25/15, 27/25, 20/25 e 25/20)

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA 3 x 1 França (25/21, 25/22, 24/26 e 25/20)
16h5 - Sérvia 3 x 2 Polônia (18/25, 25/22, 22/25, 25/22 e 15/13)

18/07 (sábado)
10h - Estados Unidos 2 x 3 Sérvia (23/25, 21/25, 27/25, 25/20 e 12/15)
12h05 - França 3 x 2 Polônia (25/23, 25/23, 19/25, 22/25 e 17/15)

19/07 (domingo)
9h10 – Estados Unidos 3 x 0 Polônia (25/22, 25/23 e 25/23)
11h30 – Sérvia x França

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Disputa do ouro

Sexta, 17 Julho 2015 21:00

Equilíbrio é a palavra que melhor define as semifinais da Liga Mundial 2015. Neste sábado (18.07), duas partidas decididas no tie break levaram a Sérvia e a França para a grande decisão, que acontecerá neste domingo (19.07), às 11h30, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ). A partida terá transmissão ao vivo da Band e do SporTV. Com um resultado negativo e uma vitória, o Brasil foi eliminado ainda na fase classificatória da etapa final da competição.

Neste sábado, os sérvios venceram os Estados Unidos por 3 sets a 2, com parciais de 25/23, 25/21, 25/27, 20/25 e 15/12), em 2h28 de partida. Na sequência, a França, campeã da segunda divisão da Liga Mundial, bateu o atual campeão mundial, Polônia, também por 3 sets a 2 e na mesma situação: venceu os dois primeiros, perdeu na sequência, e garantiu a classificação no tie break (25/23, 25/23, 19/25, 22/25 e 17/15).

O jogo entre Estados Unidos e Sérvia teve o primeiro set equilibrado do início ao fim. Já na reta final, os sérvios colocaram dois de vantagem em um momento importante (22/20), mas os norte-americanos deixaram tudo igual em 22/22. No final, no erro do adversário, a Sérvia fechou em 25/23. Embalados, os sérvios abriram três pontos no início do segundo set (10/7). O time da Sérvia seguiu melhor e fechou em 25/21.

Estados Unidos reagiram no terceiro set e fizeram 8/6. Mas os sérvios viraram e abriram vantagem (12/8). A reta final do set ganhou emoção no empate em 23/23 e os Estados Unidos fecharam em 27/25. O quarto set seguiu favorável aos americanos, que fecharam em 25/20 e levaram o jogo para o tie break. No set decisivo, os Estados Unidos estiveram à frente na troca de quadra (8/6). No final, equilíbrio no empate em 12/12. Os sérvios fecharam em 15/12.

Após a partida e depois de muita comemoração, inclusive ao lado da torcida brasileira, o técnico Nikola Grbic, demonstrou toda sua felicidade em estar na grande decisão da Liga Mundial. “O que eu posso dizer? Ontem, já estávamos em casa (eliminados) e hoje fizemos um grande trabalho. Estou muito feliz agora. Estamos nos sentindo muito bem temos que já pensar no que fazer amanhã”, disse o treinador da Sérvia.

A segunda semifinal também começou com equilíbrio, com França e Polônia empatadas em 16/16. A emoção foi até o final, quando os franceses venceram por 25/23. No segundo set, a França também esteve no comando da parcial em 14/10. Novamente bem disputado, os franceses repetiram o placar e venceram por 25/23.

Com dois sets de vantagem, a seleção da França saiu na frente também na terceira parcial (5/3). Os poloneses reagiram e viraram o placar para 13/8. A vantagem se manteve e a Polônia venceu por 25/19. Os poloneses mantiveram o bom ritmo e abriram quatro em 14/10. A França aproximou em 20/22, mas a Polônia fechou em 25/22 e levou o jogo para o tie break. No set decisivo, a França conseguiu abrir dois em 7/5. No erro do adversário, a Polônia empatou (10/10). Os franceses chegaram ao ponto do jogo em 14/12, mas os poloneses deixaram tudo igual: 14/14 No bloqueio de Ngapeth, a França fechou em 17/15.

Feliz com o resultado deste sábado e a grande campanha ao longo da Liga Mundial, o capitão Rouzier comemorou o fato de disputar a final desta competição pela primeira vez.

“Essa é a minha primeira final de Liga Mundial na carreira. Jogos neste sábado com espírito de equipe. Foi inacreditável. Ganhamos quase todos os jogos que fizemos nesta temporada e, amanhã, na busca pelo título, isso vai ser muito importante para o nosso time”, disse Antonin Rouzier.

André Heller recebe homenagem

O ex-central André Heller viveu mais um momento de alegria no vôlei. Dessa vez, não jogando, mas, ainda assim, dentro de quadra. O campeão olímpico esteve no ginásio do Maracanãzinho neste sábado para receber uma homenagem da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) pelos relevantes serviços prestados em prol do desenvolvimento do voleibol brasileiro. O ex-jogador e atual dirigente do Brasil Kirin (SP) foi aplaudido pelos torcedores do centro da quadra e recebeu a placa das mãos do CEO da CBV, Ricardo Trade.

“Fiquei muito feliz, mas, mais do que isso, estou confirmando de que nós, atletas olímpicos, temos muita responsabilidade de levar uma mensagem importante para as pessoas. Essa homenagem me dá ainda mais responsabilidade. Falamos de crise política, econômica, porém passamos por uma grande crise de valores e o esporte é uma ferramenta para que esses valores sejam construídos”, disse Heller.

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 – Brasil 1 x 3 França (29/27, 21/25, 29/31 e 19/25)
16h05 - Sérvia 2 x 3 Itália (23/25, 25/14, 23/25, 25/20 e 9/15)

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil 3 x 1 EUA (28/26, 22/25, 25/22 e 27/25)
16h05 - Polônia 3 x 1 Itália (25/15, 27/25, 20/25 e 25/20)

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA 3 x 1 França (25/21, 25/22, 24/26 e 25/20)
16h5 - Sérvia 3 x 2 Polônia (18/25, 25/22, 22/25, 25/22 e 15/13)

18/07 (sábado)
10h - Estados Unidos 2 x 3 Sérvia (23/25, 21/25, 27/25, 25/20 e 12/15)
12h05 - França 3 x 2 Polônia (25/23, 25/23, 19/25, 22/25 e 17/15)

19/07 (domingo)
9h10 – Estados Unidos x Polônia
11h30 – Sérvia x França

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Atrações

Sexta, 17 Julho 2015 21:00

Os amantes de vôlei e o público em geral têm um bom motivo para programar um passeio pelo entorno do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), neste fim de semana. Duas ações foram planejadas pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) para as finais da Liga Mundial. Em frente ao portão 7 do ginásio do Maracanãzinho, local da competição, está em funcionamento uma exposição de peças relacionadas à modalidade, como troféus de títulos mundiais e do Grand Prix, ideia embrionária do que a entidade pretende transformar no Museu do Voleibol, além de uma miniquadra de vôlei de praia. Ambas as atividades têm entrada franca.

Na quadra de vôlei de praia, inicialmente projetada para crianças, mas que têm atraído também a curiosidade dos adultos, é possível sentir o gostinho de pisar na areia e arriscar algumas jogadas. Ali estão em exposição os troféus das mais recentes conquistas mundiais das duplas Alison/Bruno e Ágatha/Bárbara. E os campeões no masculino estiveram no local para fotos e muitos autógrafos com os fãs. O objetivo da miniquadra é também fazer um convite para que o público compareça ao Rio Open, de 2 a 6 de setembro, na praia de Copacabana, mais um evento teste do vôlei nesta temporada.


Segundo o Diretor de Desenvolvimento da CBV, Renato D´Ávila, a exposição durante a Liga Mundial representa uma ideia inicial do que deverá ser o Museu do Voleibol, um sonho antigo de trazer para o público a história do vôlei nacional.

“O Museu é um projeto para 2016. Já contratamos uma museóloga, a Nira Lima, que tem muita experiência na área. Ela vai catalogar e revitalizar parte de nosso acervo. Queremos oferecer ao público um espaço interativo”, conta Renato D´Avila, acrescentando que o local do Museu ainda está indefinido. “A nossa vontade é que ele possa ficar dentro do Maracanãzinho, casa tradicional da modalidade”, diz.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Brasil fora

Quinta, 16 Julho 2015 21:00

Estão definidos os quatro semifinalistas da Liga Mundial 2015. França, Polônia, Estados Unidos e Sérvia entrarão em quadra neste sábado (18.07), no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ), onde é realizada toda a Fase Final desde a última quarta-feira (15.07). Mesmo de folga nesta sexta-feira (17.07), o Brasil, que dependia de combinação de resultado, acabou desclassificado. Maior vencedor da Liga Mundial, com nove títulos, o Brasil sai da disputa.

Na fase classificatória, a seleção brasileira foi superada pela França, na estreia, por 3 sets a 1, e, no segundo jogo, venceu os Estados Unidos pelo mesmo placar. Pelo Grupo I da Fase Final da Liga Mundial, franceses e norte-americanos se enfrentaram nesta sexta-feira e o único resultado que eliminaria o Brasil aconteceu: 3 sets a 1 para os Estados Unidos.

A primeira semifinal será às 10h, entre Estados Unidos e Sérvia. Na sequência, às 12h05, será o confronto entre França e Polônia.

O técnico da Sérvia, Nikola Grbic, comemorou a classificação assegurada no segundo jogo do dia. A equipe tinha a necessidade de vencer a Polônia e conseguiu, porém apenas no quinto set.

“Estávamos quase com um bilhete de volta para casa, então, estou muito satisfeito e a vitória é para toda a equipe. Todos tinham uma pequena parte neste jogo, todos contribuíram para esta vitória. Não sei o que vai acontecer amanhã. Estamos nas semifinais no torneio de grande prestígio, com equipes muito fortes”, disse Grbic.

Depois do resultado negativo para a Sérvia, o técnico da França, Stephane Antiga, falou sobre o desempenho do seu time. 

"Claro que não gosto quando perco, mas estamos classificados, fomos os primeiros do nosso grupo. Deveríamos ter um controle melhor do nosso bloqueio e defesa. Estou desapontado com esses dois elementos. Estivemos preparados para vencer em alguns momentos, mas não fizemos. Nos últimos dias fizemos treinos mais leves, mas amanhã temos que estar preparados, temos que ter força. A Servia jogou muito melhor do que em relação ao primeiro jogo, contra a Itália. Mas estamos prontos e concentrados para a partida contra a França.

Bernardinho pede desculpas à torcida

Já desclassificado da Liga Mundial, o técnico Bernardinho lamentou e fez questão de pedir desculpas aos torcedores que prestigiaram a seleção brasileira e encheram o Maracanãzinho nos dois jogos do Brasil.

“Peço desculpas aos torcedores que nos apoiaram tanto nos dois jogos. O nosso time trabalhou muito e conseguiu sair de uma situação de dificuldade após uma estreia irregular, em que começamos bem e caímos ao longo do jogo. Depois, conseguimos uma vitória duríssima em uma partida extremamente disputada, contra os Estados Unidos, mas infelizmente não foi o suficiente”, explicou Bernardinho.

A eliminação foi sentida, mas o experiente treinador espera que o fato possa trazer benefícios visando aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. “É duro estar fora de uma semifinal em casa, mas fica a lição e espero que nos fortaleça em vistas dos Jogos Olímpicos de 2016”, concluiu Bernardinho.

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 – Brasil 1 x 3 França (29/27, 21/25, 29/31 e 19/25)
16h05 - Sérvia 2 x 3 Itália (23/25, 25/14, 23/25, 25/20 e 9/15)

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil 3 x 1 EUA (28/26, 22/25, 25/22 e 27/25)
16h05 - Polônia 3 x 1 Itália (25/15, 27/25, 20/25 e 25/20)

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA 3 x 1 França (25/21, 25/22, 24/26 e 25/20)
16h5 - Sérvia 3 x 2 Polônia (18/25, 25/22, 22/25, 25/22 e 15/13)

18/07 (sábado)
10h - Estados Unidos x Sérvia
12h05 - França x Polônia

19/07 (domingo)
9h10 - Disputa do bronze
11h30 - Disputa do ouro

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Vamos!

Quarta, 15 Julho 2015 00:00

O Brasil segue vivo na Fase Final da Liga Mundial. Depois de ser superado pela França na primeira partida, e entrar em quadra na tarde desta quinta-feira (16.07) precisando da vitória, o time comandado pelo técnico Bernardinho alcançou o objetivo. Bateu os Estados Unidos por 3 sets a 1 (28/26, 22/25, 25/22 e 27/25), em 2h12, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ), e segue na disputa pelo decacampeonato.

A seleção brasileira folga na rodada desta sexta-feira (17.07), e depois do resultado desta tarde, ainda espera pelo resultado de Estados Unidos x França para saber se estará classificada para a semifinal. Uma vitória francesa elimina os norte-americanos. Um triunfo americano por 3 sets a 0 tira a França e por 3 a 2 deixa os Estados Unidos de fora. Se os americanos ganharem amanhã por 3 a 1, a classificação será definida no saldo de pontos. Na outra chave estão jogando Polônia, Itália e Sérvia.

Na partida desta quinta, o ponteiro Lucarelli foi o maior pontuador da seleção brasileira, com 21 acertos, mas outro ponteiro ganhou destaque: Lipe, que entrou em quadra, incendiou a partida com sua garra habitual e ainda fez seis pontos.

“Temos treinado muito bem. A qualidade técnica da equipe é indiscutível e notamos que jogamos bem contra a França, ontem. Com exceção do quarto set, os outros foram jogados em alto nível, mas percebemos que faltou um pouco de energia. Hoje, antes de entrar na quadra, ainda no vestiário, decidimos que íamos olhar um no olho do outro, confiar em tudo que seria feito, brigar e cobrar, com o sangue fervendo. E foi isso que fizemos hoje”, declarou Lipe.

Jogador mais experiente do Brasil, aos 39 anos, o líbero Serginho também sentiu que, para a partida de hoje, era necessário mais do que jogar bem. “Conversamos muito no hotel e chegamos a conclusão que não podemos deixar passar as oportunidades. Nunca foi fácil para a seleção brasileira. Hoje, viemos com a intenção de fazer os três pontos e conseguimos. Não deixamos a vitória escapar e buscarmos esse resultado do fundo da alma mesmo”, disse Serginho.

Apesar de satisfeito com a vitória, o central Lucão chamou atenção para a necessidade de uma maior constância ao longo do jogo. “Ainda tivemos um desempenho um pouco irregular, especialmente na hora do saque. Eu mesmo não consegui manter essa boa regularidade. Não podemos deixar um jogo que estava 17/11, chegar ao fim de set com esse equilíbrio”, comentou Lucão.

O JOGO

O oposto Evandro abriu o placar do jogo com ponto de contra-ataque. No ace de Lucão, o Brasil abriu dois pontos em 6/4. Com ponto de bloqueio, os Estados Unidos deixaram tudo igual (6/6). Com o apoio da torcida, a seleção brasileira fez 11/8. Com mais um ponto de bloquei, os norte-americanos chegaram ao empate em 11/11 e Bernardinho pediu tempo. Na volta, com bom saque, os Estados Unidos passaram a frente. No desafio, o Brasil conseguiu o ponto de não toque no bloqueio e fez 14/13. O jogo voltou a ficar igual em 15/15. No erro do adversário, o Brasil fez 19/19. Com Lucarelli, o time da casa fez 21/20. O set seguiu com equilíbrio em 23/23. No ataque de Leandro Vissotto, 24/23. Depois de novos empates, no bloqueio de Lucão, a seleção brasileira fechou em 28/26.

O segundo set também começou bem disputado. Com Lucarelli, o Brasil fez 3/2. No primeiro tempo técnico, os Estados Unidos venciam por apenas um ponto de vantagem (8/7). Em um ponto conquistado com muita raça, Lucarelli fez 11/11 e comemorou muito. O ponteiro também foi responsável pelo empate em 14/14. O Brasil assumiu o comando do placar em 17/16 com Lucarelli explorando o bloqueio adversário. Os Estados Unidos abriram 21/18 e o Brasil pediu tempo. Na volta, os norte-americanos marcaram mais um. Depois de bom saque de Lipe, Murilo pontuou e o placar foi para 22/20. For, então, a vez do time visitante parar o jogo. Na sequência, jogando melhor, os Estados Unidos fecharam em 25/22.

O terceiro set abriu com ace de Lucarelli. A seleção brasileira abriu dois pontos de vantagem em 4/2. Os norte-americanos empataram em 4/4. Com apoio da torcida, o time da casa colocou dois a frente em 9/7. No erro do Brasil, o placar ficou igual: 11/11. Com ponto de saque, 13/12 para o adversário. Com Vissotto, o Brasil encostou em 17/16. Lucão pontuou e 18/17 para o adversário. Com Isac, o Brasil chegou ao empate em 19 pontos. Lipe virou o placar em 20/19. Com Lucarelli, 23/22. No ataque para fora do adversário, a equipe verde e amarela chegou a 24/22 e venceu por 25/22.

Com Lipe, a seleção brasileira abriu 3/1. E foi o ponteiro que pontuou novamente e levou o time da casa a 6/3. A vantagem a favor do Brasil aumentou em 10/6. Com Lipe, a equipe da casa chegou a 16/10. Isac pontuou pelo meio de rede: 17/11. Depois de bom saque dos Estados Unidos, a vantagem brasileira caiu para 17/13. Com Lucão, o Brasil fez 19/16. Os norte-americanos reagiram e empataram em 19 pontos. No ace, o time adversário fez 22/21 e o Brasil pediu tempo. Com Lipe em momento decisivo, a equipe verde e amarela fez 23/22. O equilíbrio, então, prevaleceu até o final, quando a seleção brasileira fechou em 27/25.

EQUIPES

BRASIL – Bruno, Evandro, Lucão, Isac, Murilo e Lucarelli. Líbero – Serginho
Entraram – William, Vissotto, Lipe
Técnico: Bernardinho

ESTADOS UNIDOS – Anderson, Russel, Sander, Lee, Christenson e Holmes
Entraram – Jaeschke, Smith, Lotman
Técnico: John Speraw

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 – Brasil 1 x 3 França (29/27, 21/25, 29/31 e 19/25)
16h05 - Sérvia x Itália (23/25, 25/14, 23/25, 25/20 e 9/15)

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil 3 x 1 EUA (28/26, 22/25, 25/22 e 27/25)
16h05 - Polônia x Itália

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA x França
16h5 - Polônia x Sérvia

18/07 (sábado)
10h - Semifinal 1
12h05 - Semifinal 2

19/07 (domingo)
9h10 - Disputa do bronze
11h30 - Disputa do ouro

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Força, Brasil

Terça, 14 Julho 2015 00:00

O primeiro jogo da Fase Final da Liga Mundial não foi como a seleção brasileira masculina de vôlei esperava. O resultado negativo para a França, nesta quarta-feira (15.07), por 3 sets a 1 (29/27, 21/25, 29/31 e 19/25), em 2h07 de jogo, só deixou uma alternativa ao time dirigido pelo técnico Bernardinho: buscar uma sequência de três vitórias para chegar ao objetivo de conquistar o decacampeonato. A primeira delas terá que vir já nesta quinta (16.07), às 14h, contra os Estados Unidos, atuais campeões da competição.

Experiente, o ponteiro do Brasil, Murilo, sabe que o adversário atuou melhor nesta tarde. “Eles jogaram muito bem. No primeiro set, conseguimos abrir uma boa vantagem, dominamos, mas eles buscaram forças, imprimiram ritmo no saque, nos colocaram em dificuldade e o jogo complicou para o nosso time. Tivemos dificuldades em virar bola e eles aproveitaram. O saque deles entrou forte. Enfim, tudo isso é coisa de jogo”, disse Murilo.

O ponteiro ainda destacou a necessidade do time brasileiro se refazer para voltar à quadra em menos de 24h e conseguir o resultado positivo. “Amanhã é a nossa primeira final. Se não ganharmos, estamos fora. Espero que consigamos jogar mais três finais até domingo. Amanhã vai ser só a primeira. Temos que colocar a cabeça no lugar, recuperar o emocional porque amanhã tem jogo. Não adianta se lamentar. Agora é hora de pensar nos Estados Unidos e pensar em ganhar”, afirmou Murilo.

Maior pontuador do Brasil, com 21 acertos, o ponteiro Lucarelli segue a mesma linha de raciocínio de seu companheiro de equipe. “Tem que esquecer boa parte do jogo de hoje e tirar só as lições para o que podemos fazer melhor. O resto já passou. Não da para remoer esse jogo. Agora temos que juntar os cacos e entrar em quadra para fazer uma boa partida amanhã”, destacou Lucarelli.

Levantador e capitão da seleção brasileira, Bruninho também já saiu de quadra pensando na próxima partida. “Eles foram bem em momentos decisivos e isso pesou a favor do time da França. Perdemos um pouco do nosso volume, da nossa disposição e sabemos que, contra grandes equipes, isso não pode acontecer. Agora temos que descansar um pouco e, amanhã, fazer um jogo melhor do que fizemos hoje”, concluiu Bruninho.

Após a partida entre Brasil e França, entraram em quadra, pelo Grupo J da Fase Final da Liga Mundial, Itália e Sérvia, que se enfrentam neste momento. Os outros dois time que seguem na disputa pelo título são Estados Unidos e Polônia, que folgaram nesta primeira rodada.

O JOGO

O Brasil abriu o placar do jogo com o central Isac, que marcou, também, o segundo ponto do jogo. A equipe da casa seguiu em vantagem (5/3). No primeiro tempo técnico, a diferença a favor dos brasileiros era de três pontos (8/5). Mais uma vez com Isac, o Brasil chegou ao décimo sexto ponto (16/10). Com Lucarelli, pelo meio fundo, ao seleção brasileira chegou a 20/16. Quando Lucarelli pontuou depois de uma bola bastante disputada, o time da casa fez 23/18 e a França pediu tempo. Os franceses, então, reagiram e quando aproximaram no placar (23/21), foi a vez de Bernardinho parar o jogo. A França, então, deixou tudo igual em 24/24. A reta final do set ganhou emoção e o time visitante virou em 27/26. No bloqueio de Murilo, o Brasil fez 28/27. E, com mais um bloqueio de Murilo, fechou em 29/27.

O segundo set também começou equilibrado, com as equipes empatadas em 4/4. O empate se repetiu em 10/10. Em um lindo ataque de Lucarelli, o Brasil fez o décimo primeiro ponto. Com ponto de bloqueio, os franceses chegaram a 14/12. Com bom bloqueio de Lucão e contra-ataque de Lucarelli, a seleção brasileira chegou a mais um empate (15/15). O placar esteve novamente empatado em 18/18 e a França chegou a colocar três de vantagem em 22/19. Com ponto de bloqueio, a França chegou ao set point (24/20). E, depois, fechou em 25/21.

O terceiro set ganhou emoção e rivalidade desde o início. As equipes empataram em 10/10 e, no erro do Brasil, a França fez 11/10. Com ponto de saque, os franceses fizeram 14/12. Um ponto era a vantagem da equipe visitante no segundo tempo técnico (16/15). No erro de saque da França, o placar ficou mais uma vez igual em 20/20. O Brasil fez a inversão com Vissotto e William. Com Lucão, o time brasileiro assumiu o comando do marcador em 22/21. Com Murilo, o Brasil fez 24/23. Mas os franceses, mais uma vez, reassumiram o comando do set (26/25) e Bernardinho pediu tempo. No bloqueio, o Brasil fez 28/27. Com Lucarelli, 29/29. No bloqueio, a França fechou em 31/29.

O quarto set começou melhor para a França, que chegou a abrir 10/7. No bloqueio de Evandro, vantagem caiu para um ponto em 12/11 e voltou a ser de três em 14/11. Na jogada China de Lucão, o Brasil fez 13, enquanto a França tinha 15. No bom saque de Lucarelli, o placar encostou em 15/14. A equipe visitante abriu três em 20/17 e Bernardinho pediu tempo. Em boa sequência de saques, os franceses chegaram a 22/17. Neste momento, o técnico do Brasil parou o jogo mais uma vez. A França fez 24/18 e, no final, fechou em 25/19.

EQUIPES

BRASIL – Bruno, Evandro, Lucão, Isac, Murilo e Lucarelli. Líbero – Serginho
Entraram – Vissotto, William, Lipe
Técnico: Bernardinho

FRANÇA – Rouzier, Toniutti, Tillie, Ngapeth, Le Roux e Le Goff.
Entraram – Jaumel, Lafite, Sidibe
Técnico: Laurent Tillie

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 – Brasil 1 x 3 França (29/27, 21/25, 29/31 e 19/25)
16h05 - Sérvia x Itália

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil x EUA (Globo, Band e SporTV)
16h05 - Polônia x Itália

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA x França
16h5 - Polônia x Sérvia

18/07 (sábado)
10h - Semifinal 1
12h05 - Semifinal 2

19/07 (domingo)
9h10 - Disputa do bronze
11h30 - Disputa do ouro

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Contra a França

Segunda, 13 Julho 2015 00:00

Depois de 12 jogos em 45 dias, e de terminar a fase classificatória líder do Grupo A, a seleção brasileira masculina de vôlei chega embalada à Fase Final da Liga Mundial. A equipe comandada pelo técnico Bernardinho estreia nesta quarta-feira (15.07) na etapa decisiva, onde também está as seleções da França, Estados Unidos, Itália, Sérvia e Polônia. A corrida pelo título acontecerá no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ), e servirá como evento-teste para os Jogos Olímpicos de 2016.

A primeira partida do Brasil será nesta quarta, às 14h, contra a França, campeã da segunda divisão da Liga Mundial. O duelo terá transmissão ao vivo da Globo, Band e SporTV e valerá como o primeiro passo para a equipe verde e amarela conquistar o decacampeonato. Maior vencedora da Liga Mundial, com nove títulos, a seleção brasileira está bem preparada, mas com dois obstáculos a superar.

“Treinamentos com um bom nível durante toda a semana passada, em Saquarema, mas, agora, temos um percalço. Há uma dúvida em relação ao Wallace, que vem sentindo um pouco as costas e ainda não sabemos se poderá jogar contra a França. Se for o caso, é uma perda de peso, mas trouxemos o Vissotto de volta para compor os 14 do grupo. O Riad também teve uma pequena lesão no joelho e está fora”, explicou o técnico Bernardinho.

O vitorioso treinador sabe que essas não serão as únicas dificuldades para o Brasil. Do lado contrário da rede, estarão duas equipes que não darão nenhuma facilidade para que a seleção brasileira alcance o objetivo de passar pela fase classificatória com dois resultados positivos.

“É uma chave muito difícil. Vamos jogar os três campeões: Brasil, primeiro colocado do grupo A, Estados Unidos, primeiro do seu grupo, e a França, que venceu a segunda divisão. Esses são times que contra quem o Brasil tem certa dificuldade de jogar. Não há prognósticos. A França, nosso adversário da estreia, tem um jogador talentosíssimo, o Ngapeth, e um time muito consistente, com volume de defesa impressionante”, elogiou o técnico do time da casa.

Aliás, se o fato de jogar no Brasil é encarado por alguns como pressão, para Bernardinho, é um prazer e, mais do que isso, um aprendizado que precisa ser bem aproveitado pela seleção brasileira.

"As pessoas perguntam muito sobre a pressão de jogar em casa e a minha resposta é bastante pragmática: quando se joga um campeonato de playoff, qualquer um quer ganhar o máximo possível para poder jogar em casa. Aprender a atuar com apoio e energia da torcida é muito importante. Viver o ambiente do Maracanãzinho é um treinamento fundamental para que possamos já mirar nos Jogos de 2016”, concluiu o técnico do Brasil.

Números do Brasil

Além de maior vitoriosa da competição, a seleção brasileira é recordista de pódios da Liga Mundial: esteve presente em 18 das 25 edições. A equipe tem nove medalhas de ouro, cinco de prata e quatro de bronze. Até hoje, somente pela Liga Mundial, o Brasil fez 417 jogos e venceu 322. Em sets, foram 1.564 jogados e 1.066 vencidos.

Outra seleção de destaque presente nesta Fase Final é a Itália, única, ao lado do Brasil, a participar de todas as 25 edições da competição já realizadas. Os italianos estão no Grupo J, ao lado de Sérvia e Polônia.

Nesta Liga Mundial 2015, a equipe brasileira somou nove vitórias e três derrotas na fase classificatória, somando 28 pontos e assegurando a liderança do Grupo A. Garantido nas finais por ser país-sede, o Brasil também estará classificado pelo número de pontos.

Os 14 em quadra

Com a saída do central Riad, por lesão no joelho direito, a seleção brasileira sofreu uma alteração em relação aos 14 jogadores que haviam sido anunciados ao fim da fase classificatória. Sem Riad no grupo, e com as dores de Wallace, a comissão técnica optou por trazer de volta o oposto Leandro Vissotto, que participou de toda a primeira etapa da Liga.

Sendo assim, representarão o Brasil em quadra nesta Fase Final da Liga Mundial os levantadores Bruno e William; os opostos Wallace, Vissotto e Evandro; os centrais Lucão, Isac e Éder; os ponteiros Murilo, Lucarelli, Lipe e Lucas Lóh; e os líberos Serginho e Mário Jr.

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 - Brasil x França
16h05 - Sérvia x Itália

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil x EUA
16h05 - Polônia x Itália

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA x França
16h5 - Polônia x Sérvia

18/07 (sábado)
10h - Semifinal 1
12h05 - Semifinal 2

19/07 (domingo)
9h10 - Disputa do bronze
11h30 - Disputa do ouro

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

É a França

Sexta, 10 Julho 2015 21:00

Está definido o último time que faltava para compor a Fase Final da Liga Mundial 2015. A França, vencedora da segunda divisão, garantiu a classificação e será o adversário da estreia do Brasil na etapa decisiva. Os dois times se enfrentarão no primeiro dia da competição, na quarta-feira (15.07), às 14h, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ). A rodada terá sequência com o confronto entre Sérvia e Itália.

Na tarde deste sábado (11.07), os franceses venceram a Bulgária, que jogou em casa, por 3 sets a 0, com parciais de 25/16, 25/20 e 25/21. Depois de acompanhar o jogo que definiria o seu primeiro adversário nas finais, o técnico Bernardinho comentou que os franceses eram favoritos para assegurar a classificação.

“Deu o resultado que era o mais previsível. A França fez uma primeira fase excelente e confirmou essa campanha nas finais da segunda divisão. Eles têm um time de muita defesa e um grupo extremamente qualificado tecnicamente. Devemos lembrar que chegaram a semifinal do Mundial do ano passado invictos, perdendo para nós, por 3 sets a 2. Enfim, sabíamos que tanto França, quanto Bulgária seriam times contra quem enfrentaríamos dificuldades. A nossa chave é bem difícil”, disse Bernardinho, se referindo a França e Estados Unidos.

A segunda partida do Brasil será na quinta-feira (16.07), novamente às 14h e no ginásio do Maracanãzinho, desta vez contra os Estados Unidos.

TABELA:

15/07 (quarta-feira)
14h04 - Brasil x França
16h05 - Sérvia x Itália

16/07 (quinta-feira)
14h05 - Brasil x EUA
16h05 - Polônia x Itália

17/07 (sexta-feira)
14h05 - EUA x França
16h05 - Polônia x Sérvia

18/07 (sábado)
10h - Semifinal 1
12h05 - Semifinal 2

19/07 (domingo)
9h10 - Disputa do bronze
11h30 - Disputa do ouro

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Para a imprensa

Quinta, 09 Julho 2015 21:00

Na véspera da estreia na Fase Final da Liga Mundial, a seleção brasileira masculina de vôlei fará um treino aberto à imprensa. Na terça-feira (14.07), o trabalho dirigido pelo técnico Bernardinho poderá ser acompanhado pelos jornalistas das 13h30 às 15h, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ), palco das partidas válidas pelas finais da competição. Jogadores e comissão técnica atenderão após o treinamento.

O Brasil é o maior vencedor da Liga Mundial, com nove títulos. A equipe brasileira terá os Estados Unidos e um time que ainda busca a classificação como adversários na fase classificatória. Estão na disputa pelo grupo 2 da competição as seleções da França, Argentina, Bulgária e Bélgica. A final será neste sábado (11.07), quando será conhecido o adversário da estreia da seleção brasileira. Na outra chave estão Sérvia, Polônia e Itália.

Os jornalistas que tiverem interesse em cobrir o treino de terça-feira deverão mandar email para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. com nomes e dados da equipe que estará presente.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Última cota

Terça, 07 Julho 2015 21:00

A chance de ver de perto as seis melhores seleções de vôlei do mundo despertou o interesse do público de todo o país. Por isso, quase todos os ingressos para a Fase Final da Liga Mundial foram vendidos rapidamente. Porém, os amantes do vôlei ainda terão a chance de garantir presença no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ), na próxima semana. Nesta quinta-feira (09.07), uma última cota estará disponível na bilheteria do ginásio, a partir das 10h, para os cinco dias de jogos.

Um quantitativo de 300 ingressos estará à venda para os dias 15, 16 e 17, ou seja, a fase classificatória da etapa final. E 400 ingressos serão disponibilizados para cada dia da Fase Final, ou seja, para os dias 18 e 19, quando acontecerão as semifinais e a grande decisão. Todos os bilhetes serão para a arquibancada.

Brasil, Itália, Estados Unidos, Sérvia e Polônia já têm presença confirmada na fase decisiva. Um sexto time será definido no próximo sábado (11.07). E, a partir de quarta-feira (15.07), terá início a busca pelo título. A seleção brasileira, dirigida pelo técnico Bernardinho, é a maior vitoriosa da Liga Mundial, com nove conquistas. Seu tradicional rival, Itália, tem oito no total. A Polônia, atual campeã mundial, e Estados Unidos, atuais vencedores da Liga Mundial, são outras das forças da competição.

A Fase Final terá início na quarta, com dois jogos. A tabela oficial ainda não foi divulgada pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB) justamente por faltar o último classificado.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

Parceiros Oficiais